Sindoscom: “Tudo isso é um fiasco”

Publicado em 09 de julho de 2018

Há um ano, cinco meses e cinco dias a eleição no Sindicato dos Comerciários de Paranavaí foi parar na Delegacia.
Segundo denúncia da oposição, houve fraude e anulação de votos destinados a Marcelo Fim. Na época chegou a ser considerada a hipótese de prisão para os envolvidos na trama.
Diante da recusa da então presidente do Sindicato, Elizabeth Madrona, de facilitar a investigação representantes do Judiciário tiveram que recorrer a um chaveiro para abrir as portas da sede do Sindicato para que a ação de busca e apreensão autorizada pela Justiça pudesse ser realizada, com o propósito de resgatar as cédulas referentes aos 25 votos fraudados, que para frustração geral, não foram encontradas.
Na sequência testemunhas confirmaram em juízo que a eleição foi fraudada, com a ocorrência de atos ilícitos. A chapa vencedora e que é acusada de fraude não apresentou suas testemunhas na audiência.
Procurado pelo Taturana, Marcelo Fim informou que a decisão na Vara do Trabalho somente será conhecida em agosto. “Desde fevereiro do ano passado, apesar de todas as evidências de que foi eleita elegeu-se de forma ilícita, Leila Wanda Aguiar continua dirigindo o Sindicato. A justiça teria que ser mais rápida. A gente fica desanimado. Até agora não teve julgamento de uma coisa tão simples de decidir. Ficou mais que provado que as células foram sinistradas. Se formos questionar vamos ouvir que tem um monte de processo para julgar. Tudo isso é um fiasco, desanima muito a gente e o nosso pessoal”.
Acompanhe o caso:

Eleição do Sindoscom vira caso de polícia

Fraude no Sindoscom pode dar cadeia

Sindoscom: as cédulas sumiram

Busca e apreensão terminou de madrugada

Testemunhas confirmam atos ilícitos

Fim: “meu desejo é por outra eleição”

 

Desconto-na-mão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.