Bolsonaro agradece aos paranaenses

Publicado em 11 de maio de 2019

e defende decreto de armas

Bem Paraná

O presidente Jair Bolsonaro realizou nesta sexta-feira (10 de maio) sua primeira visita à Curitiba como presidente da República. O político do PSL chegou à capital paranaense no final da tarde de hoje, por volta das 17 horas, após cumprir agenda em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. Por aqui, participou da cerimônia de ativação do Centro Integrado de Inteligência de Segurança Regional Sul e também discursou no Palácio Iguaçu, onde esteve ao lado de nomes como Sergio Moro, ministro da Justiça, Ratinho Junior, governador do Paraná, e Rafael Greca, prefeito de Curitiba.

Em seu discurso, Bolsonaro agradeceu aos paranaenses por terem o ajudado a vencer as eleições do ano passado – no estado ele somou mais de 65% dos votos válidos, enquanto na capital alcançou mais de 75%. “É uma honra muito grande estar aqui no meio de vocês. Meu muito obrigado ao povo do Paraná. Agradeço a Deus pela minha vida e agradeço a Deus e pela força de vocês que me deram a missão de estar à frente do Executivo federal. Juntos nós vamos resgatar esse país. O que não falta aqui é gente boa nessa pátria maravilhosa, e grande parte dessas pessoas estão aqui no Paraná”, discursou o presidente.

Na sequência, Bolsonaro parabenizou seu ministro Moro pela iniciativa de “mergulhar no combate ao crime organizado”. Relembrou, então, que o país registrou queda de 25% nos homicídios no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado. Ao citar a estatística, aproveitou para fazer uma defesa do decreto que assinou nesta semana, por meio do qual ampliou o porte de armas – o Supremo Tribunal Federal (STF) já pediu explicações sobre a medida, enquanto o Congresso Nacional avalia a possibilidade de declarar algumas das medidas decretadas inconstitucionais.

“Se tivesse aumentado (a violência neste início de ano), estariam me criticando por aquele decreto lá atrás, da posse de arma de fogo. Tive a honra essa semana de assinar um decreto mais amplo, nos limites da lei (aplausos). Não como uma medida de segurança pública, mas como um direito do cidadão brasileiro. Nós temos de respeitar a vontade popular. (Por isso) Não recuamos, não retrocedemos diante daqueles que se dizem especialistas em segurança”, declarou.

Ainda segundo Bolsonaro, a intenção do governo é combater a violência com política de inteligência e também conceder aos agentes de segurança pública “a devida retaguarda jurídica”, referindo-se à medida prevista no pacote de combate ao crime apresentado este ano pelo ministro da Justiça, que prevê o excludente de ilicitude – na prática, garantiria maior proteção jurídica aos policiais que matarem em serviço.

“Esperamos aprovar o excludente de ilicitude na defesa da vida própria e de terceiros. Só dessa maneira, assim eu entendo, para fazer valer essa máxima. A vida do cidadão de bem não tem preço. Aqueles que estão à margem da lei, paciência.”

Sergio Moro diz que “integração é tudo”

Também presente no evento, o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, destacou que o encontro no Palácio Iguaçu era a oportunidade de “celebrar a integração dos esforços dos estados da região sul, juntamente com o governo federal no âmbito da segurança pública, isso através da criação do Centro Integrado de Inteligência e Segurança da Região Sul”.

“Sempre tenho dito que a segurança pública precisa de mais recursos, precisa de mais investimentos, precisamos valorizar os agentes de segurança pública, mas acima de tudo precisamos fazer melhor com o que já temos. E o melhor meio para realizar essa mentalidade é a integração, a integração é tudo”, declarou o ex-juiz.

Ainda segundo Moro, a ideia é criar um centro integrado de inteligência em segurança pública em cada região da federação. No ano passado, durante o governo Michel Temer, o primeiro desses centros já havia sido inaugurado em Fortaleza, capital do Ceará.

Ratinho Junior diz que “é um dia muito especial pro Paraná”

O governador Ratinho Junior, por sua vez, destacou que o dia de hoje foi “muito especial pro Paraná. Porque a gente tem a alegria de receber tantas autoridades públicas, em especial o presidente da República. Além disso, nós tivemos o anúncio, na parte da manhã, na cidade de Foz do Iguaçu, da ponte que é, depois de 53 anos, a grande obra que vai novamente melhorar a mobilidade urbana, o trânsito, a fiscalização na fronteira do Paraguai com o Brasil através do Paraná. Uma obra de mais de 450 milhões de reais de investimento. E também a alegria de receber nossos representantes dos estados irmãos de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, e pelo Ministério da Justiça colocar no Paraná o Centro Integrado”, destacou o governante.

Greca discursa e oferece “exemplo de Curitiba” para o presidente

Na recepção ao presidente da República, o prefeito de Curitiba, Rafael Greca, foi o primeiro a discursar no Palácio Iguaçu. Em sua fala, o político do DEM disse que a cidade estava “honrada” em receber a visita de Bolsonaro, recordando ainda que a população Curitiba “em esmagadora maioria o elegeu presidente na última eleição” – na Capital, Bolsonaro recebeu mais de 76% dos votos válidos.

Além disso, Greca ainda ofereceu o exemplo curitibano como modelo a ser seguido por outras cidades e mesmo a administração federal. “Nós queremos oferecer ao presidente Jair Bolsonaro todas as experiências de Curitiba para serem repetidas em todas as cidades do Brasil. E oferecemos também o exemplo de nosso povo, de recuperação de Curitiba. Eu peguei a cidade arrasada. Coloquei a Previdência no orçamento municipal e a Prefeitura e a cidade refloresceram.”

Alda

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.