Deputada diz que foi ameaçada

Publicado em 13 de abril de 2019

de morte por ministro do Turismo

Em entrevista à Folha, (sempre à Folha) Alê Silva, deputada federal pelo PSL de Minas, disse que foi informada que Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo, a teria ameaçado de morte em uma reunião com correligionários, no final de março.

“Prometi na vida pública combater a corrupção e jamais iria me calar diante do surgimento de um foco de corrupção tão perto de mim. Senti-me na obrigação de levar os fatos ao conhecimento do Ministério Público. No início me mantive em silêncio por receio da reação dos envolvidos. Agora vieram sérias ameaças, que se concretizaram através de interlocutores do ministro.”
Como era de se esperar, o ministro Marcelo afirmou o seguinte: “É importante destacar para aqueles que não me conhecem que essa postura agressiva e ameaçadora não tem nenhuma correspondência com a minha história de vida. Mais uma vez, atribuem a mim comportamentos e atitudes que distorcem completamente da minha pessoa” – “É lamentável ainda que a senhora Alessandra Silva, deputada eleita pelo PSL de Minas, insista em sua campanha difamatória motivada por uma frustração pessoal.”
Pra aquecer ainda mais o caldeirão, através do Twitter Janaina Paschoal cobrou posição de Jair Bolsonaro a respeito da declaração de Alê Silva. E escreveu: “Todo meu apoio à Deputada Federal Alê Silva. E agora, Presidente? O Ministro do Turismo fica? A Deputada Federal eleita também estaria mentindo? Exijo a demissão do Ministro! Não tem que esperar conclusão de inquérito nenhum! Telefonei para a Deputada, que não para de chorar! Como é que pode uma situação dessas e o Presidente não tomar providências? Não pode! O afastamento do Ministro não implicará atribuição de culpa, apenas um sinal de que o Presidente se importa com as mulheres de seu partido.”
Alê disse que pediu proteção à Polícia Federal por temer por sua vida.
“É pesado [o relato que teria recebido]. Acredito que foi uma ameaça contra minha vida e a vida da minha família. De que minha vida correria risco, se eu levasse adiante isso. Sabia que iria correr esse risco, estou pagando o preço, mas não ia aceitar ficar submissa às ordens de pessoas que agem de forma que eu condeno, desviando recursos públicos.”
Alê foi a primeira a relatar às autoridades a existência do esquema de laranjas do PSL de Minas.
A deputada solicitou proteção policial.
Bolsonaro precisa de muita oração!

Com informações de O Antagonista

Alda

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.